segunda-feira, 29 de maio de 2017

09 – Dylan Dog – Alfa e Ômega (Record)




Editora: Record
Autores: Tiziano Sclavi (texto), Corrado Roi (desenhos)
Preço: Cr$ 3.900,00 (preço da época)
Número de páginas: 100
Data de Lançamento: Maio de 1992          

Sinopse: Dylan Dog é contratado pela jovem Amy Irving para ajudar a encontrar seu namorado, Daniel, supostamente desaparecido desde a noite anterior, quando o casal sofreu um misterioso ataque após presenciar a queda de um OVNI em uma área rural do interior da Inglaterra. Mesmo relutante com a versão inicial da moça, na medida em que os fatos se desenrolam, o Investigador do Pesadelo percebe que o mistério que tem diante de si questiona não apenas suas crenças sobre a existência de vida em outros planetas como também seu próprio entendimento acerca do papel da humanidade perante a grandeza do universo.

Crítica:

Embora já tenha esboçado de maneira muito sutil um flerte com o gênero em algumas edições anteriores, e mesmo sem deixar de lado em nenhum momento os elementos marcantes de uma história de terror, o que mais chama a atenção em “Alfa e Ômega” é que se trata da primeira incursão mais profunda do Investigador do Pesadelo pela ficção científica. E isso é feito em grande estilo, pois com o seu já habitual esmero em fugir do convencional, o roteirista Sclavi desenvolve uma narrativa que, se por um lado não renega os clichês do gênero em se tratando de histórias de OVNI – como a dificuldade das pessoas em distinguir fatos de boatos e as conspirações governamentais para ocultar a verdade – por outro, leva estes elementos para muito além de um simples mistério a ser desvendado, resultando em verdadeiras reflexões de teor filosófico e metafísico.

Enquanto relia a história para elaborar essa resenha, seguidamente me vinha à mente a lembranças de filmes como 2001 – Uma Odisseia no Espaço, Blade Runner – O Caçador de Androides e Força Sinistra. Contudo, mesmo que haja, de fato, alguma discreta inspiração da parte do roteiro em aspectos destes filmes, ou outros do gênero, isso jamais é feito de forma forçada ou destoante do que já se começou a definir como estilo próprio nas aventuras de Dylan Dog, o que só ressalta a genialidade de Sclavi, com sua notável capacidade de reciclar temas clássicos de fantasia e ficção sem nunca deixar de lado sua faceta autoral e inovadora.

Como já é habitual nas aventuras do Investigador do pesadelo, passamos boa parte da história sem saber se o que estamos acompanhando corresponde à realidade dos fatos, ilusões ou pesadelos, e só no final a verdade vem à tona de forma contundente e arrebatadora, naquele que considero um dos mais brilhantes e ao mesmo tempo um dos mais melancólicos desfechos da série. Pontos altos não faltam, desde o início, que salta rapidamente de um erotismo bizarro para o puro terror e desespero, passando pelo monstruoso ataque que deixa Groucho à beira da morte, e avançando por toda a ação governamental focada em esconder os fatos da população – de tal forma que renderia um ótimo episódio da clássica série de TV dos anos 1990, Arquivo X.

Nesta edição, os desenhos de Corrado Roi me pareceram mais apressados e menos detalhistas do que em outras ocasiões em que ele ilustrou aventuras da série. Também me incomodou um pouco o excesso de sombras e quadros escuros, que nem sempre parecem adequados em sua função de dar o tom à narrativa. Contudo, nada disso compromete a qualidade geral da obra, que, na minha humilde opinião, está muito acima da grande maioria das opções que temos em nossas bancas atualmente.

Classificação: 4,5

Um comentário:

  1. Esta me é uma das edições mais memoráveis de DyD ... relendo, não deixava de pensar em Dylan Dog ... e creio que há uma história com esta pegada final, mas com a Laika, se não me falha a memória.

    Simplesmente, o desfecho da história seria alguns meses depois ... pena que não sabemos se estes fatos, como no caso d'O Fantasma Anna Never, se retornam em algum momento da coleção.

    ResponderExcluir